Pular para o conteúdo principal

MUSEU DE LOUVRE,UM DOS MAIS BELOS E MAIS VISITADOS DO MUNDO

roteiro Paris


MUSEU DO LOUVRE

Museu

     
  •  
  • 0
Museu do Louvre
Frequentemente vencedor em rankings dos museus mais visitados do mundo – a média das últimas listas é superior a 8 milhões de pessoas anuais –, esse palácio do século 12 foi convertido na meca da arte em 1793, quatro anos após a Revolução Francesa. Entre as mais de 35 mil obras em exibição no Museu do Louvreestão nada menos que a Vênus de Milo, escultura de autor desconhecido, e a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci – esteja preparado para enfrentar multidões, especialmente em torno desse quadro, que surpreende muitos pelo diminuto tamanho. Obviamente, tamanho não é documento, pena que não é possível observar esta preciosa obra-prima com toda calma, silêncio e veneração que lhe seria necesário.
São mais de 60 mil metros quadrados de área nesse gigantesco acervo de arte de inúmeras épocas e culturas do mundo, por isso vale reforçar a premissa de que o ideal é reservar mais de um dia para a visita.
A visita ao Museu do Louvre já começa de forma teatral, com a pirâmide de vidro do arquiteto sino-americano Ieoh Ming Pei dando as boas-vindas aos turistas e apreciadores de arte. A solução encontrada por Pei não só ofereceu um novo cartão-postal à Paris, mas também uma tão aguardada entrada (decente) para o edifício. Além disso, inundou de luz todo o Hall Napoleon e deu ainda mais crédito ao amalucado livro de Dan Brown, O Código da Vinci.
UM POUCO DE HISTÓRIA
As origens do Louvre remontam ao ano de 1190, quando aqui foi construída uma massiva fortaleza junto às margens do rio Sena. O castelo do rei Felipe Augusto possuia um ar obviamente bélico, com muralhas e torres. No século 14, o rei Carlos V imprimiu um ar menos espartano ao complexo, agora transformado em residência real. Os ares palacianos surgiriam pela vontade dos soberanos renascentistas Francisco I (que demoliu o antigo castelo e trouxe Leonardo da Vinci para a França -- com a Mona Lisa a tiracolo) e Henrique IV (que aqui abrigou artistas que montaram atêlies em seus recintos).
Com a mudança da corte para Versalhes, o Louvre ficou em estado lastimável, sendo transformado em museu em 1793, durante a Revolução Francesa. Com a expansão colonialista francesa durante o século 19, uma série de antiguidades do Oriente Médio e Egito foram "importadas" pelos franceses. Jean François Champollion, o homem que decifrou a Pedra de Rosetta, foi o primeiro curador do departamento egípcio.
A última grande intervenção no edifício foi comandada pelo presidente François Mitterand em 1989, que encomendou o polêmico -- como tudo em Paris -- projeto de I.M. Pei.
DEPARTAMENTOS
O Museu do Louvre cobre um longo e precioso trecho da produção artistica do homem. A curadoria dividiu o acervo em sete coleções, dispostas em três seções principais: Sully (o Cour Carrée), Richelieu (que abrange a ala paralela à Rue de Rivoli) e Denon (a ala ao longo do rio Sena). Todas elas possuem acesso através da pirâmide.
Os departamentos seguem um labiríntico roteiro pelo museu: Antiguidades (dividido em coleções egípcia, grega, romana e etrusca), Pinturas (principalmente francesas e europeias), Antiguidades Orientais (objetos do Oriente Médio, Mesopotãmia, Índia e norte da África), Esculturas, Arte Decorativa, Gravuras e Desenhos (que conta com manuscritos com iluminuras e esboços e estudos de mestres como Leonardo e Rembrandt) e Arte Tribal (hoje no novíssimo Museu Quai-Branly).
DESTAQUES
- A Mona Lisa (La Gioconda), pintura de Leonardo da Vinci, do século 16
- Le Radeau de la Méduse, pintura de Théodore Géricault, do século 19
- A Vitória de Samotrácia, escultura grega de cerca de 190 a.C.
- A coleção egípcia, em grande parte angariada por Napoleão Bonaparte, no século 19
- Vênus de Milo, escultura grega de cerca de 100 a.C.
- A Liberdade Guiando o Povo, pintura francesa de Eugène Delacroix, do século 19
- A Coroação de Napoleão, pintura francesa de Jacques-Louis Davi, do século 19
DICAS
Evite filas chegando bem cedo. Isso lhe economizará tempo (e muita paciência) tanto na hora de entrar como na visita em si, com menos aglomerações sobre as peças mais famosas, como a Vênus de Milo e a Mona Lisa. Conheça todos os destaques das amostras primeiro e depois, com mais calma, passe pelas obras menos disputadas. Se já é um veterano, faça uma programação antecipada para evitar o sobe e desce. Outra forma de agilizar a entrada é comprar o ingresso pelo site.
O Louvre possui três entradas: a da pirâmide é de longe a mais congestionada, portanto evite-a. A única exceção é se você possui um Paris Museum Pass, que tem um acesso exclusivo. As entradas da Porte des Lions e da Galerie du Carrousel são mais tranquilas e, por vezes, podem estar surpreendentemente vazias nos meses de inverno e no começo da primavera.
Na alta temporada, de junho a agosto, entre 10h e 15h, as filas podem durar enervantes 2 horas sob o sol de verão.
Fonte:http://viajeaqui.abril.com.br/estabelecimentos/franca-paris-atracao-museu-do-louvre

Quem passa por Paris logo descobre que uma visita ao Museu do Louvre é obrigatória, não só por ele ser um dos maiores e mais célebres museus do Planeta, o que por si só justificaria sua exploração, mas também por sua não menos famosa arquitetura. Situado no centro da cidade-luz, entre o Rio Sena e a Rue de Rivoli, este prédio inusitado é constituído por uma pirâmide de vidro em seu pátio central, que se justapõe à linha dos Champs-Élysées.

Se um ser de outro Planeta desejasse ter acesso a uma amostra significativa da arte e da cultura terrestre, encontraria com certeza uma síntese da produção humana nos corredores do Louvre. Este edifício foi arquitetado entre 1852 e 1857, durante o reinado de Napoleão III. Ele serviu de sede do Ministério da Fazenda, de 1871 a 1989. Antes, porém, foi conhecido como ‘Castelo do Louvre’, instituído por Filipe II, em 1190, para atuar como um forte na defesa de Paris contra os vikings; foi testemunha histórica da Idade Média; depois passou por diversas mudanças, ganhando status social ao metamorfosear-se em castelo real. Vários reis concorreram para gerar o formato que atualmente define o Louvre.É impossível entrar neste Museu sem passar pela Pirâmide, a qual tem 21 metros de altura e duzentas toneladas de vidro e de traves. Este fenômeno da arquitetura é submetido a uma limpeza semanal por um robô, criado justamente para desempenhar esta tarefa. Já no seu interior, quem por ele excursiona se verá entre obras ancestrais e criações contemporâneas, caminhará entre a Mona Lisa, a Vitória de Samotrácia e a Vênus de Milo, bem como terá contato com objetos do Antigo Egito e da civilização greco-romana.
O Museu é administrado pelo governo francês por meio da Réunion des Musées Nationaux. Sua frequência de visitantes é surpreendente, o que fez dele o museu mais procurado do Planeta em 2007, atingindo o pico de 8,3 milhões de visitantes. Para se localizar neste vasto edifício de três fachadas laterais, as quais ostentam os nomes de importantes funcionários estatais – Sully, ministro da fazenda de Henry IV; Richelieu , ministro de Luis XIII; e Denon, primeiro-ministro do Museu Central de Arte, durante o reinado de Napoleão I -, os excursionistas não podem prescindir de um mapa para melhor se orientar.
Há igualmente neste Museu quatro níveis: o subterrâneo e três andares, divididos em diversas sessões - Antiguidades Orientais, Egípcias, Gregas, Romanas, Esculturas e Louvre Medieval. Depois de várias metamorfoses ao longo da História, o Louvre transformou-se no palácio da cultura, desde a iniciativa do presidente francês François Miterrand, que difundiu a iniciativa conhecida como ‘Grand Louvre’. A inovação mais recente e polêmica desta fantástica construção foi a Pirâmide de Vidro, criada pelo arquiteto chinês I.M. Pei.
Há no Louvre vastas galerias, expondo ao público a História da Arte desenvolvida pela Humanidade ao longo do tempo. A ala Denon é uma das mais percorridas até hoje, pois oferece ao olhar encantado dos visitantes as criações dos artistas mais célebres, principalmente a obra-prima deLeonardo da Vinci, La Gioconda, mais conhecida como o retrato da Mona Lisa.

Fonte:http://www.infoescola.com/historia/museu-do-louvre/

Museu do Louvre (Musée du Louvre)


Em Paris, você vai encontrar um dos museus mais importantes e famosos do mundo: o Louvre. São mais de 30 mil preciosidades entre pinturas, esculturas, gravuras e objetos diversos, reunidas em um só lugar.
Para conhecer tudo isso de perto, você com certeza levaria muitos dias; a boa notícia é que o Louvre mantém um site atualizadíssimo, que pode ajudar o visitante a fazer uma pré-seleção dos pontos de interesse no museu, um verdadeiro labirinto com muitas galerias, passagens e escadas.
Reserve ao menos uma manhã ou tarde somente para o local onde estão expostas a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci (ala Denon), e outros quadros importantes como A balsa da Medusa, de Géricault, além de esculturas como aVenus de Milo (ala Sully) e Os Escravos, de Michelangelo (ala Denon).
Os que quiserem desfrutar de momentos mais tranquilos podem optar pela visita noturna, pois às quartas e às sextas-feiras o museu só fecha às 21h45. O período, inclusive, é ideal para aqueles que pretendem admirar a Mona Lisacom mais calma — algo praticamente impossível durante o dia, devido à grande quantidade de visitantes que ficam em frente ao quadro.
Ingresso
Uma boa dica, também, é adquirir os ingressos com antecedência. Isso porque, em geral, a fila que se forma na porta do museu é enorme. Se estiver no Brasil, você pode comprá-los no site da Fnac, por exemplo; mas, se você já estiver em Paris, pode adquirir o tíquete em lojas como a Fnac da Champs-Elysées, o Carrefour, a Virgin Mégastore, entre outros estabelecimentos. O ingresso que dá acesso à coleção permanente do museu vale para o dia todo; portanto, é possível entrar e sair do museu a qualquer momento.
O Louvre abre todos os dias (exceto às terças-feiras), das 9h às 18h — lembrando que às quartas e às sextas o local só fecha às 21h45. Mapas gratuitos e em vários idiomas estão disponíveis na entrada. Você também pode optar por guias em áudio, que estão disponíveis mediante pagamento de uma taxa. O Louvre oferece ainda diversas opções de cafés e restaurantes em toda a sua extensão — o que com certeza torna a visita ao local ainda mais agradável.  
Dica do MD: no primeiro domingo de cada mês, de outubro a março, a entrada é gratuita.
Rue de Rivoli, Paris - CEP: 75001
+33 1 53 74 60 00
http://www.louvre.fr
Seg, Qui, Sáb–Dom: 9:00–17:45 Qua, Sex: 9:00–21:45
Fonte:http://guia.melhoresdestinos.com.br/museu-do-louvre-musee-du-louvre-70-626-l.html

Visitando o Museu do Louvre em Paris

Para os amantes da arte não há, talvez no mundo inteiro, passeio mais imperdível e fascinante do que uma visita ao Museu do Louvre, em Paris. É uma experiência que te faz voltar no tempo, passear pela história e admirar as mais belas obras de arte dos maiores artistas de todos os tempos.
O prédio do Museu do Louvre teve origem em 1190, quando foi construída uma grande fortaleza às margens do Rio Sena. O castelo do rei Felipe Augusto possuía muralhas e grandes torres e, no século XIV, o rei Carlos V quis transformar todo esse complexo em uma residência real, com um ar menos espartano.
roteiro Paris
Com a mudança da corte para Versailles, o Louvre ficou degradado, em péssimo estado, sendo transformado em museu em 1793, durante a Revolução Francesa. A estrutura de palácio veio da vontade dos renascentistas Francisco I – que trouxe Leonardo da Vinci para a França, juntamente com sua Monalisa – e Henrique IV, que demoliram o castelo e abrigaram diversos artistas, que montaram ateliês em seus recintos
A área externa do museu já é por si só uma grande atração. A bela e antiga arquitetura dos prédios, aliada à moderna estrutura piramidal construída em vidro e metal, conferem ao local um charme característico que serviu de inspiração na construção de outros museus mundo afora, e tornou-se um ponto de referência para a cidade de Paris. A iluminação da pirâmide, à noite, encanta os visitantes e faz jus ao carinhoso apelido de Paris, a “cidade da luz”.dicas Paris
São mais de 60 mil metros quadrados de área, com um acervo artístico de épocas variadas e diferentes culturas, fazendo-nos apreciar magníficas obras de arte e viajar por períodos nunca antes vivenciados.Paris dicasVisitar o Louvre é, sem dúvida, uma emoção indescritível! Lá encontramos obras de arte como a Monalisa, de Leonardo da Vinci, além de obras de Rembrandt, Michelangelo, Gericault, David, Delacroix, Ticiano, Rubens, Goya e também antiguidades egípcias, gregas e romanas.
Há uma infinidade de belas e fascinantes obras de arte para o nosso deleite e para todos os gostos.  A curadoria do museu dividiu o acervo em sete coleções, dispostas em três seções principais: Sully, Richelieu e Denon. Todas elas possuem acesso através da pirâmide. Os departamentos seguem um roteiro, espalhado por seus labirínticos corredores: antiguidades egípcias, gregas, romanas e etruscas, pinturas (principalmente europeias), antiguidades orientais (objetos do Oriente Médio, Mesopotâmia, Índia e norte da África), esculturas, arte decorativa, gravuras e desenhos (esboços e estudos de Leonardo e Rembrandt) e arte tribal.o que fazer em Paris
Dentre as inúmeras obras de arte presentes em exposição permanente no Louvre, podemos destacar: AMonalisa (La Gioconda), pintura de Leonardo da Vinci, do século XVI; Le Radeau de la Méduse, pintura de Théodore Géricault, do século XIX; A Vitória de Samotrácia, escultura grega de cerca de 190 a.C.; a coleção egípcia, em grande parte angariada por Napoleão Bonaparte, no século XIX; Vênus de Milo, escultura grega de cerca de 100 a.C.; A Liberdade Guiando o Povo, pintura francesa de Eugène Delacroix, do século XIX; A Coroação de Napoleão, pintura francesa de Jacques-Louis Davi, do século XIX, etc.o que visitar em ParisComo chegar no Louvreatrações turísticas Paris
Os viajantes que dispõem de mais tempo e que gostam de admirar as obras com calma e atenção, podem fazer a visita em mais dias, mas para quem tem pouco tempo, creio que em um dia inteiro consiga ver parte do acervo, que é enorme.
Apesar de tanta beleza e encanto, o Louvre apresenta um pequeno problema estrutural, na minha opinião. Seu espaço interno é composto por um enorme pátio, um corredor central e as galerias, que se concentram nos corredores laterais. Para chegar até as exposições desejadas, é preciso caminhar pelos corredores centrais e passar por dentro de várias galerias. Ou seja, é uma longa caminhada. Porém, o museu tem a vantagem, ao contrário de muitos outros, de permitir a utilização de máquina fotográfica sem o uso do flash.roteiro em ParisPara ter maior praticidade e ganhar tempo, o ideal é pegar o guia do museu, que se encontra no pátio central do primeiro andar, em vários idiomas, e escolher os artistas preferidos. Ou, se preferir, pode simplesmente se perder, sem rumo e sem direção por todas aquelas galerias e admirar, sem pressa, tantas obras tão fascinantes e apaixonantes…dicas de Paris
Informações úteis:
Horário: o museu fecha somente às terças-feiras. Às segundas, quintas, sábados e domingos funciona das 9h às 18h e às quartas e sextas funciona das 9h às 22h. Fechado em 1º de janeiro, 1º de maio e 25 de dezembro.
Como chegar: a melhor opção é ir de metrô e saltar na estação Palais-RoyalMusée du Louvre ou ainda os ônibus 21, 24, 27, 39, 48, 68, 69, 72, 81, 95.
Preço: o valor da entrada é €11.
Não deixe de conferir todas as nossas dicas de Paris já publicadas aqui no blog e nem de conhecer o nosso “Roteiro de 7 dias em Paris e Arredores“!
Boa viagem!
Fonte:http://www.turistaprofissional.com/2013/06/02/dicas-museu-do-louvre-em-paris/
Museu do Louvre - Bianca

Dicas de Paris: Criando Um Roteiro Para o Louvre

Publicado  
Tão procurado quanto a Torre Eiffel, o Arco do Triunfo e Notre Dame, o Museu do Louvre é uma atração realmente imperdível. É um dos maiores e mais importantes museus do mundo.
O acervo é tão grande que seriam necessários uns 5 dias, no mínimo, para conseguir ver tudo. Mas é claro que nenhum turista tem tanto tempo disponível para isso...
O que a maioria acaba fazendo é reservar 1 dia inteiro (o ideal) ou meio período (uma manhã ou uma tarde) para visitá-lo.Quem preferir fazer meio período deve levar em consideração o seguinte: o Louvre é gigantesco, muito fácil de se perder e, ainda por cima, é lindo – você vai acabar parando para apreciar várias obras que não estavam no seu roteiro.
Se o visitante não tiver um planejamento prévio ou foco naquilo que quer ver, com certeza vai ficar mais tempo do que tinha previsto.
Museu do Louvre
Museu do Louvre
Em 2011, num “bate-e-volta” que fiz deLondres para Paris, reservei 2 horas para o Louvre, pois queria ver apenas 3 obras: aMona Lisa, a Victoria de Samotrácia e a Venus de Milo. Como era pouco, deixei para avaliar o mapa lá na hora e ver no que dava.
E o que aconteceu? Acabei levando o dobro do tempo lá dentro. E sem perceber!
Voltei à Paris no ano seguinte e reservei 1 dia inteiro para o Louvre. Foi infinitamente melhor, pois fiz tudo com mais calma e tive mais tempo para apreciar e encontrar obras belíssimas, que não tive a oportunidade de ver na primeira vez. Tudo porque eu tinha mais tempo e um planejamento.
Além do mais, era meu sonho: tirar 1 dia inteiro para conhecer o Louvre, devagar. Afinal, não é todo dia que temos a oportunidade de visitar um dos maiores museus do mundo, não é?! Eu precisava desfrutar este momento...
Sei que um passeio sem roteiro pode revelar belas surpresas, mas por outro lado, pode fazer com que você perca um tempo precioso. E, numa viagem deste porte, tempo é dinheiro, não é verdade?

Como priorizar o tempo no Louvre?

A única forma de fazer isso é dando uma estudada no mapa do museu antes da visita.
Tem gente que faz isso lá na hora, antes de começar o passeio pelas salas. Se você tiver facilidade para decifrar e entender mapas, pode ser uma boa ideia.
Minha opinião: independente se você reservou meio ou 1 dia inteiro para visitar o Louvre, a última coisa que vai querer é perder tempo decifrando mapa, não é? Então, tire um tempinho em casa, antes de ir, e dê uma estudada nele. Marque as salas onde estão as obras que você mais gostaria de conhecer e faça a sua programação. Desta forma, você conseguirá priorizar ao máximo o seu tempo.
Eu tive as 2 experiências, a de ir sem estudar nada e o contrário. Garanto a você: ir com tudo programado é a melhor coisa a se fazer! Estudando o mapa, você entenderá como é o museu e já não se perderá com tanta facilidade. E isso vai te poupar um tempo precioso.
Para quem quiser começar o planejamento em casa, basta imprimir o mapa do site oficial do Louvre, em português.
Com ele nas mãos, vou explicar como é o museu, para que você entenda melhor.

Como é o Louvre?

Como disse acima, é muito fácil se perder neste museu. O palácio onde ele está situado é enorme, com salas interligadas entre si.
Para quem nunca tinha visto o mapa antes e chega lá para visitá-lo, vai achar que trata-se de um grande labirinto. Mas não é: ele é mais simples do que você imagina.

1. As entradas do Louvre

O Louvre possui várias, como mostra as setas vermelhas da figura abaixo:
Entradas do Louvre
Entradas do Louvre
De todas essas, as 3 mais conhecidas são:
• pela pirâmide do pátio central (a principal);
• pelo Carrousel du Louvre, o shopping que fica no subsolo;
• pela Rue de Rivoli
Quem vem de metrô, deverá saltar na estação Palais Royal-Musée du Louvre (linha 1). Seguindo as placas, irá sair no Carrousel du Louvre, o shopping que fica no subsolo e está ao lado do hall principal.
Na visita de Março de 2011, fui de metrô e saí no subsolo. Em Fevereiro de 2012, entrei pela Pirâmide que fica no centro da praça. Em todas elas não tive problemas com filas.
Mas há relatos de que, em meses de alta temporada, o hall principal fica tão cheio que eles acabam organizando a entrada dos visitantes para evitar confusão. E filas acabam se formando nas entradas.
Independente de onde você entrar, fatalmente vai chegar no hall principal.

2. Os pisos do Louvre

Olhando o Louvre pelo lado de fora, estando na rua, você verá que é um edifício de 3 andares: o térreo (0), o primeiro andar (1) e o segundo andar (2).
Além desses pisos, ainda há um subsolo, que é o hall principal, também conhecido como Hall Napoléon. E entre o chão do subsolo e o nível da rua (0), há um mezanino (-1).
Com exceção do hall principal, há exposição de obras em todos esses pisos.
Resumindo, o Louvre 5 andares:
• o subsolo (Hall)
• o mezanino (-1)
• o térreo (0)
• o primeiro andar (1)
• o segundo andar (2)
Pisos do Louvre
Pisos do Louvre

3. Comprando o ingresso para visitar o Louvre

Uma vez chegando ao hall principal, você terá que adquirir o ingresso para visitar o museu. Para isso, há 3 opções:
• comprar na bilheteria que há neste hall (é nessa hora que pode haver uma fila razoável);
• comprar online e resgatar nas lojas FNAC em Paris.
O bilhete é válido para o dia todo, ou seja, você pode entrar e sair do Louvre quantas vezes quiser, desde que volte no mesmo dia.
Tem gente que vem ao Louvre, visita um pouco, sai do museu para dar um passeio pela cidade e volta mais tarde pra continuar. Isso é possível.
Quem tem o Paris Museum Pass não precisa entrar em nenhuma fila para comprar. Basta apresentá-lo na entrada das alas.
Audioguia: para aproveitar o máximo de cada obra, você pode alugar um audioguia no hall principal ou baixá-lo no seu smartphone (iOS ou Android). Não há em português, infelizmente.

4. As alas do Louvre e seus acessos

O Louvre tem 3 alas: RichelieuDenon e Sully.
Estando no hall principal, você verá uma placa indicativa e uma escada rolante de acesso para cada uma delas.
Acessos à Ala Richelieu
Acessos à Ala Richelieu
Após subi-la, você encontrará um guichê onde terá que apresentar o ingresso (ou oParis Museum Pass) ao fiscal.
Para ir de uma ala até outra, há 2 opções: voltar ao hall principal e seguir até a escada rolante correspondente a outra ala, ou passar de uma para a outra através das salas contíguas (como mostrado no mapa das entradas do Louvre, logo acima, você verá que Ala Richelieu se comunica com a Ala Sully, que por sua vez se comunica com a Ala Denon).
Todas as alas possuem 4 andares (mezanino, térreo, primeiro e segundo). Eles podem ser acessados tanto por escadas quanto por elevadores.

Preparando o Roteiro para o Louvre

Uma vez entendido como é o Louvre e diante do mapa do museu, o próximo passo é identificar as obras que você mais deseja conhecer e as salas onde elas estão localizadas. Marque-as no seu mapa e, por fim, crie o seu itinerário.
Sugestão: visite cada ala em separado. Por exemplo, visite a Ala Richelieu inteira. Terminou? Volte ao hall principal e vá para outra ala. Desta forma, você não se perde e não deixa passar nenhuma sala que desejaria conhecer.

O acervo do Louvre

É gi-gan-tes-co! Sem dúvida, é um dos maiores museus do mundo, e há realmente muita coisa exposta por lá. Isso sem contar com as exposições temporárias.
De um modo geral, você encontrará no Louvre:
• Pinturas (de artistas franceses e italianos, em maioria);
• Esculturas
• Antiguidades (do Egito, da Grécia, da Mesopotâmia, da Roma Antiga e dos Etruscos)

O que ver no Museu do Louvre?

A dúvida de quem está planejando uma visita ao Louvre é quase sempre a mesma: com um acervo tão vasto e rico, como fazer para criar um roteiro sucinto?
Baseado na minha experiência, digo o seguinte: o Louvre inteiro é lindo. É difícil acharmos algo que não seja interessante. Não é raro nos pegarmos admirando alguma obra que não estava no roteiro.
É claro que as mais famosas, como a Mona Lisa, estarão na sua lista. Mas quais serão as outras peças consideradas imperdíveis pelos visitantes?
Fazendo uma pesquisa sobre as obras mais visitadas, acabei criando uma lista do que ver no Louvre. Caso seja de seu interesse visitá-las, citei a ala, o piso e a sala em que elas estão para que você possa marcar no seu mapa. E, como é de praxe nos meus posts aqui no blog, coloquei informações e impressões sobre algumas obras.
A intenção não é ditar o que é melhor a ser visto por lá. Até porque seria muito difícil (pra não dizer impossível) apontar as atrações principais em um museu com um acervo tão vasto quanto o Louvre. Fora que o que interessa para uma pessoa, pode não interessar para outra.
Cada um tem sua lista de preferidos e eu, claro, tenho a minha. Mas, de um modo geral, as peças mais procuradas são as seguintes...
ALA RICHELIEU - MEZANINO (-1)
Cavalos de Marly
Cavalos de Marly
• Pátio Puget – Milo de Crotone (atenção para a perfeição da pata do leão cravando na coxa do homem)
• Pátio Puget – Four Captives / Four Defeasted Nations (4 estátuas representando reações diferentes a captura: revolta, esperança, resignação e mágoa)
• Pátio Marly – Os Cavalos de Marly (que ficavam na entrada da Champs-Élysées, de quem vem da Place de la Concorde)
ALA RICHELIEU - TÉRREO (0)
Código de Hamurabi
Código de Hamurabi
• Sala 3 – Código de Hamurabi (o famoso e mais antigo código de leis já encontrado, imperdível para o pessoal do Direito)
• Sala 4 – Touro Alado (esculturas de touros com 5 pernas e cabeça humana, que ornamentavam a entrada de um palácio da Mesopotâmia)
• Sala 10 – Tumba de Filipe Pot (com 8 estátuas sombrias sustentando o corpo)
• Sala 11 – São Jorge Combatendo o Dragão (com a cena talhada numa placa de mármore)
ALA RICHELIEU - PRIMEIRO ANDAR (1)
• Salas 83 a 87 – Apartamentos de Napoleão III (lindíssimo! Eram os aposentos do antigo imperador francês e sobrinho de Napoleão Bonaparte).
ALA RICHELIEU - SEGUNDO ANDAR (2)
• Sala 38 – A Rendeira de Vermeer (o quadro mais famoso do artista)
Apartamentos de Napoleão III
Apartamentos de Napoleão III
ALA DENON - MEZANINO (-1)
• Sala C – Santa Maria Madalena de Gregor Erhart (uma das estátuas mais famosas do Louvre).
ALA DENON - TÉRREO (0)
Psiqué Reanimada pelo Beijo de Eros
Psiqué Reanimada pelo Beijo de Eros
• Sala 4 – O Escravo Moribundo e o Escravo Rebelde de Michelangelo
• Sala 4 – Psiqué Reanimada pelo Beijo de Eros de Canova (pra mim, a escultura mais linda do Louvre, disparado! )
• Sala B – Guerreiro combatente (é a estátua de um homem inclinado pra frente, em posição de combate)
ALA DENON - PRIMEIRO ANDAR (1)
• No patamar da escada – Victória de Samotrácia (majestosamente em destaque no museu, a estátua de 190 a.C. está numa espécie de proa e esculpida como se sua roupa tivesse voando ao vento. Ninguém sabe ao certo qual divindade representava. A asa direita é uma reconstrução em gesso. Linda! )
• Sala 5 – A Madona das Rochas de Leonardo da Vinci (quem leu “O Código da Vinci” não pode perder)
• Sala 6 – Mona Lisa de Leonardo da Vinci (Linda e minúscula: só tem 40 cm de altura! E se você for como eu, que achava que o quadro era escuro e em tons marrons, vai se surpreender com as cores...)
• Sala 6 – As Bodas de Canaã de Veronèse (quadro retratando a noite que Jesus transformou água em vinho. Injustamente negligenciado devido à atenção que as pessoas dão à Mona Lisa, que está de frente pra ele, na mesma sala)
• Sala 77 – A Liberdade Guiando o Povo de Delacroix
• Sala 75 – A Coroação de Napoleão de Jacques Louis David (um painel majestoso!)
Mona Lisa e Victoria de Samotrácia
Mona Lisa e Victoria de Samotrácia
ALA SULLY - MEZANINO (-1)
Louvre Medieval
Louvre Medieval
• Louvre Medieval (Uma área contendo as fundações do antigo forte medievalque havia naquela região, quando o Louvre ainda era uma fortaleza. Logo na entrada, repare na maquete de como era o forte e compare com os paredões das fundações que estão à frente...)
• Sala 1 – Esfinge de Tânis (é uma belíssima esfinge encontrada na cidade de Tânis, no Egito. Ninguém sabe até hoje qual o faraó que ela retrata)
ALA SULLY - TÉRREO (0)
Friso do Palácio de Dario I
Friso do Palácio de Dario I
• Sala 16 – Vênus de Milo (datada de 100 a.C., foi encontrada na Ilha de Milo, na Grécia. Há controvérsias se é mesmo Afrodite ou se é Anfrite, deusa marinha cultuada na região. Independente disso, é linda e imperdível)
• Sala 17 – Diana de Versalhes (a versão original da estátua. A cópia está na Galeria dos Espelhos, no Palácio de Versalhes)
• Sala 17 – Hermes Atando as Sandálias
• Sala 6 – Tesouros de Tutankamon (são relíquias da época do famoso faraó. Destaque para a régua egípcia, que difere da nossa por ter hieróglifos no lugar de números).
• Sala 11 – Caminho das Esfinges (várias efígies enfileiradas)
• Sala 12 – Estátua de Ramsés II (um dos faraós mais famosos da história)
• Sala 12 A – Frisos do Palácio de Dário I (ainda mantendo grande parte de suas cores, com imagens de arqueiros e leões alados. Lindíssimos! ).
ALA SULLY - PRIMEIRO ANDAR (1)
Escriba Sentado
Escriba Sentado
• Sala 22 – O Escriba Sentado (estátua egípcia que retrata um homem pronto para escrever algo sobre um papiro. O que impressiona é que ainda mantém as cores originais, mesmo depois de 4.500 anos!).
• Sala 25 – Busto de Akhenaton (o famoso faraó que decidiu venerar o sol, provocando uma lendária crise religiosa no Egito Antigo)
• Sala 25 – Pequenas estátuas do Faraó Akhenaton e da Rainha Nefertiti(bem pequeno mesmo, mas retrata o famoso casal real egípcio).
O acervo do Louvre é colossal e maravilhoso. Com certeza você sairá de lá com uma lista própria, inclusive com algumas obras que nem citei aqui. Não deixe de dar suas sugestões depois, na seção de comentários.

Não deixe de apreciar também no Louvre...

A arquitetura das salas do Louvre

Quem visita o museu geralmente fica tão encantado pelas obras que acaba negligenciando a bela arquitetura do edifício. As paredes e o teto de algumas salas são deslumbrantes. Não deixe de apreciá-las.
As belas salas do Louvre
As belas salas do Louvre

Carrousel do Louvre

Um shopping, contíguo ao hall principal, onde você encontrará várias lojas, como L’Occitane, Swatch, Apple, Swarovski, Fossil, entre outras. Há uma praça de alimentação, com restaurantes de vários tipos, cafeteria, lanchonete e até um Mc Donald’s. A estação do metrô Palais Royal possui um acesso que desemboca dentro deste shopping.
Não deixe de apreciar, próximo à loja da Apple, a pirâmide invertida. É igual a que está na praça em frente, no nível da rua. A diferença é que ela está de cabeça pra baixo e é um pouco menor.

Loja de Souvenir

Imperdível. Não só você encontrará lembrancinhas com as fotos das principais obras, como também poderá adquirir um pôster de sua obra favorita, para colocar uma moldura e fazer um quadro.
Outra ótima opção de lembrança é um livro com o catálogo das 600 obras mais famosas do Louvre com informações sobre cada uma delas. Disponível em vários idiomas, inclusive em português.
Catálogo das principais obras do Louvre
Catálogo das principais obras do Louvre

Informações para quem vai visitar o Museu do Louvre

• O Louvre não abre às terças e fecha mais tarde às quartas e sextas (21:45h). Consulte as informações sobredias e horários de funcionamento e compra de ingressos disponibilizados no site oficial.
• Não deixe de consultar a agenda de exposições temporárias que sempre acontecem por lá. Veja qual estará ocorrendo na época de sua visita e aproveite!
• Para quem preferir, existe a opção de tour guiado proposto pela administração do Museu do Louvre. As visitas são em francês e inglês.
• Para você, que está com intenção de visitar a capital francesa, não perca nossa sugestão de roteiro de 6 dias em Paris e também nossas dicas de sobrevivência para quem vai à Paris. Além disso, você também pode conferir outros artigos bem legais relacionados a Cidade Luz, acessando nossa página completa de destinos (Paris e França).

Vai Viajar?

Encontre um hotel perfeito para sua viagem a Paris com o melhor custo benefício. O Booking é nosso parceiro e te ajuda a comparar preços de hoteis de maneira rápida e segura. Garanta sua reserva sem nenhum custo pagando apenas na hora do check-in. Além de economizar você ainda ajuda a manter nosso blog. Reserve agora mesmo um hotel para sua viagem a Paris

Vai Viajar?

 Encontre o hotel perfeito para sua próxima viagem com garantia do menor preço. O nosso blog tem parceria com o Booking, serviço que te ajuda a comparar preços de hospedagem em qualquer lugar do mundo de maneira rápida e segura. Você ainda pode fazer uma reserva com a opção de cancelamento gratuito e deixar para pagar só na hora do check-in. Garanta sua reserva de hotel agora mesmo.
 Antes de alugar um carro, faça uma comparação entre as principais locadoras do Brasil e do mundo. A nossa parceira RentCars te ajuda nessa busca de preços e oferece todas as opções de forma rápida e segura. A cobrança será feita sempre em reais, sem IOF. É possível dividir em até 12 parcelas no cartão de crédito ou aproveitar um desconto de 5% no boleto bancário. Compare valores de aluguel de carros e economize.
 Não esqueça do seguro viagem. Economize tempo e dinheiro fazendo cotando na Real Seguro Viagem, nossa parceira. Encontre as melhores opções de seguros das principais seguradoras com a garantia do menor preço e escolha o plano que se encaixar melhor no seu bolso. O pagamento pode ser parcelado em até 6x sem juros no cartão ou pago no boleto com um desconto de 5%. Escolha o seguro viagem ideal e viaje tranquilo.
Reservando com nossos parceiros, além de garantir o menor preço e um serviço de qualidade, você também ajuda a manter o blog e nos motiva a produzir cada vez mais conteúdo.